Sportlight: Heleno grita por moralidade, mas fingiu que não viu corrupção no COB

Brasil

O jornalista Lúcio de Castro, da agência de jornalismo investigativo Sportlight, lembra nesta sexta-feira 14 de denúncias de corrupção ocorridas no COB (Comitê Olímpico do Brasil), que era comandado por Carlos Arthur Nuzman e tinha como número 2 o general Augusto Heleno, hoje ministro do GSI (Gabinete de Segurança Institucional) do governo Bolsonaro. Heleno pediu demissão do COB logo após a prisão de Nuzman.

A lembrança foi postada porque nesta manhã, Heleno soltou gritos e deu socos na mesa durante um café com jornalistas, ao lado do presidente Jair Bolsonaro, em nome da “moralidade” e contra o “desonesto” ex-presidente Lula, que para ele “não merecia nunca ter se tornado presidente”.

“O Gal Heleno, que agora bate na mesa em nome da moralidade, foi o 02 de Nuzman durante anos. “Não viu” a corrupção que jorrava ali. Ganhava R$ 58.581,00 para não ver. Sendo que desses, R$ 47.024,00 vindos de verba pública. Dos nossos impostos. Acumulados ao soldo do exército”, denuncia a Sportlight.

“O Gal Heleno foi homem de frente nos Jogos Mundiais Militares, 2011. A @agsportlight mostra abaixo q antes das Olimpíadas, a “República de Mangaratiba” de Cabral já tinha montado seu esquema de corrupção no evento militar. Superfaturou”, postou ainda a agência em sua conta no Twitter. Confira abaixo as publicações sobre o tema:

O Gal Heleno, que agora bate na mesa em nome da moralidade, foi o 02 de Nuzman durante anos. “Não viu” a corrupção que jorrava ali. Ganhava R$ 58.581,00 para não ver. Sendo que desses, R$ 47.024,00 vindos de verba pública. Dos nossos impostos. Acumulados ao soldo do exército. pic.twitter.com/iun2XxPleO — Agência Sportlight (@agsportlight) 14 de junho de 2019

Cobri o tema por anos. Fiz o “Dossiê Nuzman”. Todo mundo sabia o q acontecia ali. O gal Heleno alega q não viu. Nesses anos, nunca vi o general atuando pelo COB, a despeito do salário. Os q estão berrando em louvação ao ídolo agora deveriam conhecer melhor seus pés de barro. https://t.co/JYwU8iTm5q — Agência Sportlight (@agsportlight) 14 de junho de 2019

O Gal Heleno foi homem de frente nos Jogos Mundiais Militares, 2011. A @agsportlight mostra abaixo q antes das Olimpíadas, a “República de Mangaratiba” de Cabral já tinha montado seu esquema de corrupção no evento militar. Superfaturou. Leia por favor:https://t.co/lv0xBiIQGM pic.twitter.com/NpNRoAAnXK — Agência Sportlight (@agsportlight) 14 de junho de 2019

Seguindo: o jornalismo pode fazer reportagem e mostrar os fatos ou pode se calar diante da mesa quando o general soca a mesa e grita pela moralidade. Ou se calar na bancada na TV quando ele repete a ladainha como recentemente. Cada um faz do seu ofício o que quiser. https://t.co/9AFgNundk8 — Agência Sportlight (@agsportlight) 14 de junho de 2019

Deixe uma resposta