Resgate terminou. Crianças e treinador a salvo

Mundo

Quando, no terceiro dia das operações, os mergulhadores entraram na gruta de Tham Luam para resgatar os cinco tailandeses que ali continuavam presos, o governador demissionário da província de Chian Riang, Narongsak Osatanakorn, entrou na tenda onde estão os familiares dos sobreviventes com um anúncio para fazer. “Vou agora dizer os nomes das oito crianças que já foram salvas. Os pais destes oito serão transportados imediatamente para o hospital de Chiangrai Prachanukroh, onde poderão visitá-los.” Já não valia a pena esperar mais, 10 de julho era o dia do tudo ou nada.

Os pais dos últimos quatro miúdos, mais a tia de Ekapol Chantawong, o treinador de 25 anos, ficaram à espera. Os Navy Seals tailandeses partiram para dentro da gruta bem dispostos. Na sua página de facebook, emitiram um comunicado que arrepiava: “Hoje é dia de reunir o bando dos javalis. São animais que vivem em grupo e esta noite vão estar todos reunidos.” Uma referência, claro, à alcunha da equipa de futebol.

À medida que a tarde avançava no norte da Tailândia, a profecia ia-se cumprindo. O anúncio do salvamento dos três primeiros rapazes estava feito com intervalos de 20 minutos. A última criança demorou um pouco mais, 47 minutos. Segundos depois, a BBC anunciava que emergia o único adulto: “Everyone is out.” A saga terminou três minutos antes da uma da tarde, hora de Lisboa.

Os oito que já tinham sido salvos, e que, segundo o jornal tailandês Bangkok Post, receberam esta manhã os pedidos de comida que haviam feito por carta nos últimos dias. Pães com chocolate e espetadas de porco. Esta noite juntam-se-lhe os restantes cinco para o festim. Mesmo que não possam abraçar as famílias (estão isolados atrás de um vidro por risco de contágio), estão vivos.

A explosão de alegria propagou-se do Norte da Tailândia para o mundo inteiro. Ainda faltavam sair os três Navy Seals tailandeses e o médico australiano que passaram a última semana dentro da gruta e já os 19 mergulhadores envolvidos na operação (11 da Tailândia, os restantes britânicos, australianos e norte-americanos) eram aclamados como heróis. Há de durar mais uns dias a operação para retirar materiais e cabos. Mas agora houve isto, e isto foi extraordinário. Ao fim de 432 horas, finalmente, a luz. E com isso um planeta inteiro a explodir de alegria. Não há espetáculo mais belo do que a conquista da liberdade.

Deixe uma resposta