Pistoleiros atacam acampamento no município de Ourilândia do Norte, no Pará

Brasil Ourilândia

Embora alardeado por Bolsonaro que a facilitação do posse de armas inibiria o Movimento dos Sem Terra, a verdade é que os latifundiários sempre estiveram bem armados e tiveram total apoio das instituições para atacar as ocupações.

Um exemplo da escalada da violência contra o MST foi o acontecimento do dia 14 de abril, em Ourilândia do Norte (PA), na Ocupação 1200, onde ocorreu um ataque de pistoleiros contra o acampamento dos sem terra. O fazendeiro Eutimio Lippaus, antigo dono e interessado na propriedade, teria contratado quatro homens em duas motos para abrirem fogo contra as cerca de 70 famílias, incluindo crianças.

A fazenda é composta por uma área pública que o Incra afirma pertencer à União, onde se encontram as famílias, que ocuparam a região exigindo que seja destinada à reforma agrária. Como o processo de reintegração ainda aguarda julgamento, Eutimio também entrou com um processo de reintegração de posse contra os sem terra.

Além de o latifundiário realizar um atentado contra dezenas de pessoas e passar impune, ainda existe a possibilidade de um verdadeiro massacre acontecer na fazenda, seja com mais pistoleiros ou até mesmo com o processo de reintegração com a polícia fascista.

A militarização dos ministérios pelo governo Bolsonaro garante apoio à manutenção dos latifúndios e o fim definitivo da já nula reforma agrária, através do sufocamento do Incra com o corte de recursos e violenta repressão no campo.

Os sem terra devem se organizar imediatamente, criando comitês de luta contra o golpe e autodefesa, e o MST deve impulsionar as ocupações, contando com isso com o apoio público e concreto das demais organizações populares como a CUT e os partidos políticos de esquerda. Somente unificando o movimento no campo e na cidade de luta contra o golpe e pela derrubada de Bolsonaro é que se poderá realizar uma ampla mobilização que acabe com a repressão no campo e inicie um processo de garantia dos direitos dos sem terra.

Deixe uma resposta