Onça Puma estará em extinção em Ourilândia do Norte?

Brasil Dá para acreditar? Ourilândia

A 78 dias (exatamente 2 meses e meio) que se encontra paralisada a produção de ferro-níquel na planta pirometalúrgica na usina de Onça Puma, após a Justiça Federal na pessoa do desembargador Federal Antônio Souza Prudente em 07 de junho de 2019 decretar a paralisação das atividades de beneficiamento de níquel no projeto Onça Puma (subsidiária da Empresa Vale).

A empresa tentou retomar a sua produção, inclusive, em parceria com a prefeitura de Ourilândia iniciou diálogos de negociação com as comunidades indígenas, portanto, não obteve êxito nas conversas e o processo prossegue na justiça. Enquanto isso do outro lado da cidade, pra ser exato, em TI Kayapó (os mesmos que no processo 421068420154010000 afirmam que o projeto Onça Puma contamina suas águas) permite o funcionamento de garimpos clandestinos para a exploração de Ouro com a utilização de metais pesados.

Exploração ilegal em Terra Indígena Kayapó as margens do Rio Branco – Foto: Google Maps

Aproximando-se a três meses de paralisação Onça Puma ainda respirar a esperança de retomar a sua produção. Mas até quando o balão de oxigênio de Onça Puma suportará manter seus aproximadamente 1200 funcionários sem gerar receita? Afinal trata-se de uma empresa que é mantida por acionistas que não estão obtendo retorno neste período de paralisação.

LEIA TAMBÉM: Operacao Muiraquita desarticula garimpo ilegal de ouro em terras indigenas

A situação é tensa para pais de família e empresas que possuem vinculo com o negócio de mineração local e para o governo que deixa de arrecadar impostos. A justiça precisa dar uma resposta à sociedade de Ourilândia, pois a qualquer momento este balão de oxigênio que ainda mantém Onça Puma a respirar poderá estourar, e será como uma bomba atômica.

LEIA TAMBÉM: Omissão-do-governo-bolsonaro-insufla-a-tensao-no-meio-da-amazonia

Deixe uma resposta