MP denuncia 7 pelas mortes de Francisca e Joanice

Brasil

Sete pessoas foram denunciadas pelo Ministério Público do Pará (MPPA), em Redenção (PA), acusadas do assassinato da cabeleireira Maria Francisca de Sousa Vaz, a Missionária Francisca, e da atendente comercial Joanice Oliveira de Jesus [foto]. As duas mulheres foram assassinadas com requintes de crueldade na madrugada do dia 9 de dezembro de 2017.

Depois de ouvir o depoimento de vários dos acusados novamente, a promotora Magdalena Torres Teixeira decidiu denunciar todos eles por participação no crime macabro. Os denunciados são: o genro e a filha da Missionária Francisca, Jean Altamir Rodrigues da Silva e Aline Lásara Gomes de Sousa Vaz; Ricardo Pereira Lima da Silva, também conhecido por Missionário Ricardo; Wesley Costa da Silva e Euzilene Alves de Almeida, marido e mulher; Ednelson da Silva Rosa Oliveira; e Dourivan Souza Lima.

Conforme informou o MP, Aline, Wesley, Euzilene e Ricardo foram denunciados por homicídio. Jean Rodrigues, o genro, além do homicídio, responde também por crime de ameaça. Ele é apontado ainda como o mentor da trama macabra para tirar a vida da própria sogra, com o consentimento de Aline Vaz, mulher de Jean e filha de Francisca.

LEIA TAMBÉM Vale vende projeto pantera para Avanco

A motivação do crime, segundo o Ministério Público, teria sido a ganância do genro Jean e da filha Aline pelo dinheiro da venda da residência de propriedade Missionária Francisca. Euzilene e Wesley são companheiros e visavam retorno financeiro com a morte. Da mesma forma o Missionário Ricardo, pessoa de confiança de Francisca, visava ter vantagem econômica.

Parte da denúncia feita pelo Ministério Público contra os 7 acusados

Dourivan Souza é acusado de ameaçar e intimidar testemunhas. A mando de Jean Rodrigues, logo após o crime, ele teria ameaçado Wesley e Euzilene para não contarem nada à Polícia sobre o ocorrido na casa da Missionária Francisca, onde ocorreu o duplo homicídio.

Já o representante comercial Ednelson Silva foi arrolado no processo por crime de falso testemunho. Foi ele que prestou depoimento na manhã após a prisão dos acusados pelas mortes, afirmando que teria passado a noite do crime na companhia de Jean Rodrigues e Aline Vaz. Na ocasião, disse ainda que os três teriam viajado logo pela manhã para participar de uma reunião da empresa onde ele e Jean trabalhavam.

No depoimento prestado à promotora Magdalena Torres, Ricardo Pereira teria dito que executara os dois assassinatos sem a ajuda de mais ninguém. Mesmo depois de ter dito à Polícia que Jean, Aline, Wesley e Euzilene participaram de toda a ação. Nessa nova versão, Ricardo teria afirmado, também, que matou Francisca e Joanice “porque estava possuído pelo demônio”.

Por sua vez, Euzilene Alves teria alegado, no depoimento ao MP, que confessou o crime à Polícia por ter sofrido pressão psicológica por parte dos delegados que colheram seu depoimento.

Mas a promotora considerou suficientes as provas que constam dos autos do inquérito feito pela Polícia Civil. Por isso, ela pede a condenação dos acusados de participação no crime. E que todos sejam levados a júri popular para responder pelo crime bárbaro, que até hoje ainda choca a população de Redenção.

O MP solicitou a realização de uma simulação dos fatos, que deve ser conduzida pelo Centro de Perícias Científicas Renato Chaves, com o apoio das Polícias Civil e Militar.

Relembre o caso da Missionária Francisca

A cabeleireira Maria Francisca de Souza Vaz e uma amiga dela, Joanice Oliveira de Jesus, foram mortas na madrugada de 9 de dezembro do ano passado. As duas estavam na casa da primeira, onde os corpos foram encontrados logo pela manhã.

Francisca Souza foi encontrada caída em um dos cômodos da casa, com um saco de cimento na cabeça. O corpo de Joanice Oliveira estava no banheiro da residência, com um pedaço de madeira na boca. Até mesmo os policiais, acostumados com crimes violentos, ficaram chocados com tamanha selvageria.

De acordo com a polícia, não havia sinais de arrombamento na casa, o que levou os investigadores a suspeitar imediatamente que o assassino era conhecido da dona da casa. O que acabou se confirmando dois dias depois.

Na noite da segunda-feira (11), a Polícia prendeu Jean Rodrigues, Aline Vaz, Wesley Costa e Euzilene Alves. Os outros acusados, denunciados agora pelo MP, foram presos posteriormente. (Imagens: Reprodução.)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *