Governo cede e anuncia concessões chave para caminhoneiros, mas fim da greve é incerto

Brasil

Após uma semana de impasse e derrotas sofridas nas mãos do movimento dos caminhoneiros grevistas, o Governo de #Michel Temer cedeu, agora completamente. Em pronunciamento realizado por volta das 22h de domingo, o presidente anunciou cinco medidas adotadas pelo Planalto para tentar debelar a paralisação da categoria. De acordo com o emedebista, “as medidas atendem a praticamente todas as reivindicações que nos foram apresentadas”. Dentre elas está o aumento no desconto por litro de diesel (de 41 centavos para 46 centavos) e o congelamento deste valor por 60 dias. “A partir disso só haverão reajustes mensais, para garantir a previsibilidade do caminhoneiro”, disse Temer. O presidente também anunciou que o Governo irá editaria três medidas provisórias para beneficiar a categoria dos fretistas – o que aconteceu na própria noite de domingo. Uma delas prevê a suspensão da cobrança de eixo suspenso em todo o Brasil (quando o caminhão passa sem carga), a segunda garante aos caminhoneiros autônomos 30% dos fretes da Companhia Nacional de Abastecimento, e, por fim, o estabelecimento de uma tabela mínima de frete.

Ainda não se sabe qual será a reação global dos caminhoneiros, cuja greve se mostrou um movimento horizontal com muitos líderes e articulações feitas por Whatsapp. O presidente da Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos, Diumar Bueno, afirmou pouco após a fala de Temer que as propostas “contemplam” as demandas do movimento, mas que ainda é cedo para falar em fim da greve. A desmobilização dos #caminhoneiros, de acordo com ele, “vai depender da base”, e que apenas ela “tem competência para avaliar as propostas do Governo”. Outras associações até então arredias, como a Abcam, também se mostraram satisfeitas nesta segunda, num sinal de que anúncio de Temer pode encerrar uma semana de caos, na qual o brasileiro sofreu com o desabastecimento de supermercados, aeroportos, hospitais e postos de gasolina por todo o país.

O pronunciamento de Temer neste domingo marcou uma mudança no tom do Governo na relação com os caminhoneiros. Até então, o Governo Federal mantinha a mesma política de enfrentamento com o movimento adotada desde o início da crise. No sábado o ministro Raul Jungmann voltou a bater na tecla de que parte da greve é orquestrada por patrões, o que configuraria o locaute, que é ilegal. De qualquer forma, mesmo após anunciar que o Exército iria ajudar a desobstruir as rodovias, a situação no país continuou caótica, na medida em que centenas de bloqueios ainda impediam a circulação nas estradas do país na noite de domingo.

Diante da perspectiva de uma crise aprofundada de abastecimento nas cidades e com o anúncio feito no sábado pela Federação Única dos Petroleiros (FUP) de que a categoria dos petroleiros deve cruzar os braços por 72 horas à partir de quarta-feira, 30 de maio, Temer precisou ceder.

No sábado o Estado-maior do presidente ainda tentou mostrar que tinha a situação sob o mínimo de controle. Os ministros Raul Jungmann, da Segurança Pública, e Sérgio Sérgio Etchegoyen, do gabinete da Segurança Institucional, culparam empresários donos de transportadoras de estarem por trás de parte da mobilização. Após reunião do o gabinete de crise do Governo Federal, Jungmann chegou a dizer que “mandados de prisão já foram expedidos”. Ele não informou, no entanto, se já haviam sido cumpridos e quem seriam os empresários responsáveis pelo locaute (espécie de greve patronal, proibida por lei). “Alguns caminhoneiros receberam ordens de permanecerem paralisados, o que configura a prática do locaute”, disse.”Esta paralisação teve, em parte, a promoção e o apoio criminoso de proprietários e patrões de empresas transportadoras e distribuidoras. E podem ter certeza, eles irão pagar por isso”.

O ministro Etchegoyen foi realista quanto à normalização do abastecimento no país. “É difícil prever qualquer data para a normalização. Queremos que seja o mais rápido possível, mas não há indicação se isso ocorrerá em um dia, dois dias… O que percebemos é que o abastecimento começa a caminhar no sentido da normalidade”. O ministro disse ainda que o caminhão parado “deixa de fazer uma série de viagens”, o que provoca uma demora no restabelecimento dos estoques.

Deixe uma resposta