Atos pedem fim do consumo de carne de cachorro na Coreia do Sul

Mundo

Ativistas promoveram atos nesta terça-feira (17) nos Estados Unidos e em Seul para protestar contra o consumo de carne de cachorro na Coreia do Sul.

Segundo a ONG sul-coreana ALW (Animal Liberation Wave), cerca de um milhão de cães são abatidos por ano no país.Para chamar a atenção, manifestantes carregaram, em uma praça de Seul, corpos de filhotes que teriam morrido prematuramente em fazendas de carne.

Em Los Angeles (EUA), o protesto aconteceu em frente ao consulado da Coreia do Sul e contou com a presença das atrizes Priscilla Presley e Kim Basinger.

Além de cartazes, os manifestantes também exibiam animais. Manifestação também estava prevista para ocorrer em Washington.Para os ativistas, o consumo da carne de cachorro é uma tradição que deve ser superada. Dizem ainda que os animais são torturados nas fazendas de carne e mortos de forma cruel. Tradição em algumas áreas da Ásia, o polêmico consumo de carne de cachorro tem diminuído, especialmente entre os mais jovens, que condenam a prática.

Em junho, na China, aconteceu o festival de Yulin, onde o bicho é o prato principal durante dez dias de evento, apesar da pressão de ativistas.

Deixe uma resposta